A dura verdade sobre a crise dos refugiados e os voluntários internacionais

SOBRE A CRISE DOS REFUGIADOS

Existem mais de 50 milhões de refugiados no mundo nesse momento. Esta é a primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial que tantas pessoas tem abandonado suas casas em perigosas jornadas em busca de segurança.

Para nós isso não é tão fácil de entender, sentados em nossas casas confortáveis, usando WIFI para ler este artigo. Mas, para outros, sua rotina diária está agora na estrada, esperando a chance de construir uma nova vida. A crise dos refugiados é complexa, mas vou tentar dar uma visão geral: a maioria dos refugiados está fugindo da violência e da agitação no Oriente Médio, com os principais países representados como Síria, Afeganistão e Iraque. Há também refugiados que tentam deixar as economias em ruínas e os governos abusivos, como os do Kosovo e do Paquistão. E o fato de que alguns dos refugiados estão procurando oportunidades econômicas, em vez de correrem o risco de perder a vida, que alguns meios de comunicação se referem à crise dos refugiados como uma “crise dos migrantes”.

8151750-3x2-700x467

Milhares de cidadãos tem sido forçados a sair de seus lares em busca de segurança

A maioria dos refugiados se dirigem para a Europa, principalmente pelo mar, e o país que recebe mais refugiados é a Alemanha. Enquanto os alemães inicialmente acolheram os refugiados com os braços abertos, os ataques subsequentes alegadamente realizados por refugiados têm deixado muitas pessoas com medo e o apoio ao recebimento de refugiados despencou. A Hungria e a Suécia também aceitaram muitos refugiados, mesmo quando a Hungria tentou fechar suas fronteiras. O mundo foi movido pela situação dos refugiados e, embora não esteja nos holofotes ou a nossa vista o tempo todo, a crise dos refugiados ainda é uma crise.

MUITOS DE NÓS ESTÃO PERGUNTANDO, COMO PODEMOS AJUDAR OS REFUGIADOS? PODEMOS SER VOLUNTÁRIOS?
Zaatari_refugee_camp,_Jordan_(3)

Se você fala alguns dos idiomas mais usados no mediterrâneo existem ainda mais formas de ajudar.

A resposta para isso é – depende. Depende de você e de onde você está.

É o auge do fenômeno do “salvador” pensar que nós, voluntários relativamente privilegiados sempre somos úteis, o tempo todo, apenas aparecendo no lugar. Em vez disso, muitos voluntários podem tornar as coisas mais difíceis aparecendo para trabalhar sem as habilidades e recursos necessários para se sustentar, fazendo assim o oposto de conseguir ajudar verdadeiramente os outros. Vimos isso acontecer após o terremoto no Haiti, onde voluntários bem intencionados inundaram a ilha, e acabaram sendo apenas mais um fardo para os trabalhadores humanitários em dificuldades e os haitianos locais. Após o terremoto no Nepal muitos voluntários foram convidados a ficar em casa e enviar doações ao invés de ir até lá. Da mesma forma como devemos ser cuidadosos com o trabalho voluntário em resposta a desastres naturais como terremotos, também precisamos ter cuidado em situações humanitárias complexas, como a crise dos refugiados.
Se você não pode falar o idioma local, quem vai traduzir para você? Se você não tem condições de bancar sua hospedagem, alimentação e transporte, quem vai fazer essas coisas? Você pode acabar usando o valioso tempo de um trabalhador local que já tem muito trabalho a fazer. Devemos avaliar cuidadosamente a situação, o nosso próprio conjunto de habilidades, e os nossos pontos fortes antes de saltar e se voluntariar com refugiados no exterior.
NÃO DESISTA DA IDÉIA DE SE VOLUNTARIAR

Não devemos desistir do voluntariado por inteiro. Quando a crise dos refugiados começou e refugiados desesperados inundaram a Grécia, foram voluntários e pequenas organizações locais que estavam salvando vidas e apoiando os refugiados. Enquanto as organizações maiores se moviam devagar, recebendo tudo em ordem, os voluntários locais se lançaram em ação. O voluntariado pode, e muitas vezes, salvar o dia! Ainda há muita necessidade, e, se você deseja se voluntariar diretamente com os refugiados, aqui estão os cenários em que o voluntariado poderia realmente ser útil. 🙂
the-cold-hard-truth-about-the-refugee-crisis-and-international-volunteers-1-1465872166.png
1. Você possui habilidades e experiência necessárias.

A maioria das oportunidades de voluntariado com refugiados exige que você tenha alguma experiência relevante, pelo menos, a experiência trabalhando culturalmente. Além disso, as habilidades trabalhando com populações vulneráveis, em reassentamento, ensino, assistência médica, aconselhamento e assistência jurídica são de grande utilidade. A experiência em situações de crise e vulnerabilidade de qualquer tipo é muito relevante. Certifique-se de que qualquer organização com a qual você esteja trabalhando perguntará sobre seus antecedentes (e deve fazer uma verificação de antecedentes), então eles não estão deixando ninguém despreparado ir trabalhar com populações vulneráveis.

2. Você fala o idioma.

Os tradutores são sempre úteis! E assim, ninguém mais teria que se dedicar a traduzir para você. Você fala no mínimo o Inglês, ou árabe, Pashto, francês, Dari, Farsi, albanês ou qualquer outro idioma necessário? Fantástico!
E o que há de melhor em habilidades de linguagem é que você pode até mesmo ajudar remotamente, traduzindo documentos, notícias ou posts de blogs para diferentes idiomas.

3. Você pode se manter.

Se você pode se manter, comprando seu vôo, pagando sua hospedagem, sua comida e seu seguro de viagem (não se esqueça!), Então você não precisará obter ajuda financeira de qualquer organização, que poderá usar esse dinheiro para ir diretamente aos refugiados.
Claro, muitas organizações estão felizes em ajudar a pagar salários pequenos ou despesas de viagem para voluntários qualificados, e se eles tiverem o dinheiro, isso é legal! Mas ser você é capaz de se sustentar, e puder pedir-lhes para usar o dinheiro onde mais é necessário com os refugiados, seria ainda mais legal. 😉

Continuar lendo

Arrumando a mochila no Facebook 

Depois de muito enrolar, agora que estou com mais tempo livre devido à reta final do MBA \o/ decidi estender o Arrumando a mochila para o facebook 🙂

Lá além dos textos que geralmente público aqui, também vou compartilhar fotos e vídeos de viagem. 

Dá uma olhada lá! Curte e compartilhe! ❤️

https://m.facebook.com/arrumandoamochila/

Guia de como sobreviver a ciladas durante a sua viagem

Viajar é algo incrível, você vai um e volta outro, conhece pessoas do mundo todo, experimenta diferentes sabores e sensações, sai da zona de conforto e quando volta percebe que isso era tudo o que você mais precisava. No entanto, algumas atitudes são importantes para você não deixar de aproveitar a viagem por estar em apuros.

Não estou dizendo que você deve levar a ferro e fogo todo aquele terrorismo que a sua mãe faz antes de você sair de casa, e não importa a idade que você tenha.

“Não esqueceu de nada?” “Com quem você vai?””Toma cuidado!”

Pode parecer exagero (e muitas vezes é), mas algumas coisas ruins já aconteceram comigo e com amigos próximos justamente por ter o pensamento de que quando se está viajando tudo é perfeito e só existem pessoas boas e na mesma vibe. Também não precisa ficar paranóico e não querer ficar em hostel ou beber uma cerveja num bar local, mas é bom tomar algumas precauções.

Por isso depois de muito ler dicas variadas de viagem e experiências próprias, decidi criar um ultra guia de como sobreviver a ciladas em uma viagem! Abaixo as principais:

 

  1. TIRE FOTOS DOS SEUS DOCUMENTOS

Além daquela boa e velha cópia dos seus documentos impressa, tire fotos dos seus documentos (passaporte, carteirinha de vacina, cartões, visto, RG…) e envie para o seu e-mail pessoal e para o e-mail de alguém próximo.

Assim no pior dos casos e você perder tudo, de qualquer computador você consegue o básico de documentação para procurar o consulado ou até mesmo a polícia.

DICA: Alguns hotéis podem querer segurar o seu passaporte na recepção, nunca se afaste do seu passaporte e se você não se sentir confortável, procure outro hotel.

passaporte_mercosul-1024x683

Continuar lendo

Troco vestido caro por viagem inesquecível

Essa texto é mais um apelo por menos esteriótipos e mais experiências REAIS de viagem.

Já escrevi algumas vezes sobre como viabilizar uma viagem tão sonhada, e como muitas vezes as coisas materiais que acreditamos ser tão necessárias no nosso dia a dia…são as que mais limitam de realizarmos grande sonhos.

Acontece que pra que grandes sonhos se realizem é preciso também abrir mão de muita coisa. E isso vale também para quando você já embarcou em uma viagem, muitas vezes eu já deixei de comprar lembrancinha, um vestido legal em uma feirinha, ou comer em um restaurante mais caro pra poder pagar um passeio e ter uma experiência diferente. Continuar lendo

Quando eu escolhi a África do Sul

No começo de 2013 eu decidi viajar, e decidi que não seria para um lugar convencional eu queria fugir do óbvio. Desse desejo veio a África do Sul. Comecei a me planejar para fazer trabalho voluntário em Janeiro de 2013 com férias planejadas para Outubro do mesmo ano.

10464158_768998596478613_8480965784047803490_n

Cape Point – África do Sul (Foto por: Dani)

Comecei decidindo pelos tipos de trabalho voluntário e como não consegui escolher apenas um, decidi por fazer duas semanas de trabalho com animais e duas semanas de trabalho com crianças. Decidi por fazer trabalho voluntário porque Continuar lendo

Como planejar a sua viagem!

Planejar a sua viagem, é o primeiro grande passo para a sua nova experiência. Eu particularmente AMO planejar, pesquisar, montar roteiros, ler sobre o lugar, buscar informações e pesquisar preços. Da um pouco de trabalho, mas é como se por exemplo ao invés de você contratar um decorador pra sua casa, você mesmo põe a mão na massa e escolhe com cuidado o que combina com você ou não.

Isso vale não somente para uma viagem que você vai por conta própria, mas para uma viagem que você decidir fechar por um agencia por exemplo. Sempre pesquise sobre os lugares para você saber se é o seu interesse ou não, se a agencia não for flexível…pula pra outra! 😉 O importante é se divertir e aproveitar ao máximo sempre.

Em um curso de gerenciamento de projetos que eu fiz no ano passado, eu aprendi três princípios básicos para um projeto: Escopo, Tempo e Custo. Isso também pode ser aplicado para o planejamento de uma viagem, que acaba se tornando o seu projeto particular!

Bom, vamos resumir.

custo tempo escopo

Triangulo do planejamento de viagem

Continuar lendo